"Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei" (Salmo 91)

20 de setembro de 2012

A SÍNDROME DOS VINTE E TANTOS ANOS.

Olha ai o texto que peguei da net, mais especificamente do facebook, eu me identifiquei com algumas partes e Você?


A SÍNDROME DOS VINTE E TANTOS ANOS.

Você começa a se dar conta de que seu círculo de amigos é menor do que há alguns anos.
Dá-se conta de que é cada vez mais difícil vê-los e organizar horários por diferentes questões: trabalho, estudo,
namorado(a) etc.. E cada vez desfruta mais dessa cervejinha que serve como desculpa para conversar um pouco....
As multidões já não são ‘tão divertidas’, às vezes
...... até lhe incomodam.
Mas começa a se dar conta de que enquanto alguns eram verdadeiros amigos, outros não eram tão especiais depois de tudo.
Você começa a perceber que algumas pessoas são egoístas e que, talvez, esses amigos que você acreditava serem próximos não são exatamente as melhores pessoas.
Ri com mais vontade, mas chora com menos lágrimas e mais dor.
Partem seu coração e você se pergunta como essa pessoa que amou tanto e te achou o maior infantil, pôde lhe fazer tanto mal.
Parece que todos que você conhece já estão namorando há anos e alguns começam a se casar, e isso assusta!
Sair três vezes por final de semana lhe deixa esgotado e significa muito dinheiro para seu pequeno salário.
Olha para o seu trabalho e, talvez, não esteja nem perto do que pensava que estaria fazendo. Ou, talvez, esteja procurando algum trabalho e pensa que tem que começar de baixo e isso lhe dá um pouco de medo.
Dia a dia, você trata de começar a se entender, sobre o que quer e o que não quer.
Suas opiniões se tornam mais fortes.
Vê o que os outros estão fazendo e se encontra julgando um pouco mais do que o normal, porque, de repente, você tem certos laços em sua vida e adiciona coisas a sua lista do que é aceitável e do que não é. Às vezes, você se sente genial e invencível, outras… Apenas com medo e confuso.
De repente, você trata de se obstinar ao passado, mas se dá conta de que o passado se distancia mais e que não há outra opção a não ser continuar avançando.
Você se preocupa com o futuro, empréstimos, dinheiro… E com construir uma vida para você.
E enquanto ganhar a carreira seria grandioso, você não queria estar competindo nela.
O que, talvez, você não se dê conta, é que todos que estamos lendo esse texto nos identificamos com ele. Todos nós que temos ‘vinte e tantos’ e gostaríamos de voltar aos 15-16 algumas vezes.
Parece ser um lugar instável, um caminho de passagem, uma bagunça na cabeça…

Mas TODOS dizem que é a melhor época de nossas vidas e não temos que deixar de aproveitá-la por causa dos nossos medos… Dizem que esses tempos são o cimento do nosso futuro. Parece que foi ontem que tínhamos 16…
Então, amanha teremos 30?!?! Assim tão rápido?!?

19 de setembro de 2012

João cantarolando

video
João me ajudando no meu processo criativo dos Saltimbancos... 11 meses meu amor

16 de setembro de 2012

Leitura do domingo


Minha leitura hoje, mesmo tendo o trabalho de Historia do Teatro, foi um livro infantil da escritora Maria Clara Machado “O Cavalinho Azul” conta a historia do Vicente que deixa a família em busca do seu cavalinho azul, e no caminho ele encontra um circo onde há três músicos e um palhaço mentiroso e uma menina que o acompanha na sua busca do cavalo azul de crinas brancas, “com enorme asas pra voar na terra e grandes barbatanas pra nadar no mar... e dois olhos de fogo”.
Com essa leitura já abriu novos horizontes, mas quem sabe próximo ano! Rsrsrs
Boa semana!!!

11 de setembro de 2012

Estudar!

Eita já tava com um tempo que não lia tanto, voltar a essa vida de estudante, trabalhos, seminários, leituras interpretadas, leituras previas... Mas ta valendo muito a pena as aulas de teatro, melhorando as minhas técnicas aprendendo novas teoria, vamos que vamos a tendencia é melhorar, melhorar, melhoras SEMPRE!

Foto ilustrativa do Livro de Historia do Teatro seminário que vai ser daqui a duas semanas, detalhe criar um apresentação com olhos de ator... missão aceita, período de criação e montagem, ao longo das duas semanas vou ficar atualizando, Bj

Povo do teatro


4 de setembro de 2012

Palhacinhos


Brinquedo Novo


Sabe quando agente era criança e ganha um presente novo todos os outros(velhos) ficam de lado, pelo menos comigo era assim, e pra alguns amigos também é assim. Vamos tomar de exemplo um urso de pelúcia, O Velho já ta surrado, sujo e sem um olho, O Novo esta lá lindo, pelo brilhante, cheirinho de “plástico novo”, mas ai você fica doente qual tem o cheiro a textura mais aconchegante? Lógico que é O velho, e os amigos da mesma forma: O Velho amigo já lhe conhece de mais tempo parece que sabe onde é sua dor, o cheiro e o abraço quentinho dele lhe trazem toda confiança e segurança daqueles dias de brincadeiras no quintal.

Só que infelizmente os amigos não são que nem brinquedos Velhos, que ficam no fundo de uma caixa ou no guarda-roupa ao alcance da mão, eles por vezes se distanciam. Uma vez li em um determinado lugar que amigos de verdade são aqueles que mesmo depois de muito tempo sem se ver quando se reencontram é como se tivessem se visto ontem, é como se a distancia não tivesse interferido em nada.

Então cadê vocês que vi ontem?

2 de setembro de 2012

Ana Lidice 15 anos


A alguns dias a traz foi aniversario de 15 anos de  uma das minhas primas e eu que fiz a apresentação dela o texto ficou legal e resolvi compartilhar com vocês aqui do blog. Abraço.


Hoje Eu estou aqui para contar uma historia de uma princesa que não esta no livro de Conto de Fadas, que não se chama Cinderela, Bela Adormecida ou Branca de Neve. Uma princesa que não é filha de um grande rei mas que tem vários pais: Pai Marcone, Pai Manel, Pai Ronaldo, Padrinho Tadí e tio Dé. Que não são grandes reis mas com certeza são grandes homens. E também tem varias mães: Mãe suly, Mãe Sônia, Mãe Tia e a Baba que ela escolheu para ser sua madrinha.

E outra diferença é que sua fada madrinha que não surgiu como em um conto de fadas, na noite de um grande baile, mas que já esta com ela dês dos seus primeiros dias de vida, há quinze anos  a traz, sua mãe Conceição. E como ela mesma disse  “a Ana Lidice veio na minha vida como uma estrela como uma luz” e não só na vida dela como de toda a família. Uma família com tantos Homens a chegada de uma menina sempre é comemorada com muita festa, e para a Ana Lidide não poderia ser diferente.

E lógico como todo Conto de fadas há seus contratempos , na vida da nossa princesa não podia ser diferente, apenas com alguns meses de vida alguns problemas de saúde a levaram muitas noites para o hospital onde ela mesma já dizia ter um quarto. Mas problemas superados a vida continuou e nossa princesa continua a crescer entre mimos e carinhos dos familiares. Logo logo veio a primeira separação pois começa a frequentar o colégio muito cedo onde começa uma nova faze da vida da nossa princesa no colégio Arco-Iris, uma aluna  aplicada , obidiente e estudiosa.

O tempo vai passando depois veio a mudança de Parnaíba para o Barro-Duro. E como falar de Ana Lidice  e não falar da sua turminha: Joyce, Lara, Leo e todos os outros e outras que alem de amigos são cúmplices que juntos descobriram as dificuldades de ser adolescentes.

E hoje eu apresento a Ana lidice uma moça dedicada, educada, carinhosa e tantos outros adjetivos que poderia citar aqui para descrever esta menina, esta mulher!

E eu como primo que junto com o Renan e a Ana Rita ajudamos a cuidamos de você quando criança, devo lhe admitir que esta nova fase não é fácil, algumas desilusões, desencontros, vão fazer parte nesta vida de adulto, mas também o aconchego do colo da mamãe quando algo não da tão certo.

Pois é, esta é a vida de adulto e a sua só esta começando agora, e Eu  em nome de toda a família desejo que consiga realizar seus sonhos e que seja feliz, Parabéns pelos seus 15 anos!

1 de setembro de 2012

O dia Desmanchado

Esta semana tive o imenso prazer de assistir a montagem “O dia desmanchado” da Cia de teatro de Porto Alegre no projeto Palco Giratório do SESC.


Uma peça poética, com a fotografia linda uma mensagem que pode ter varias interpretações, um trabalho perfeito de corpo do ator Marcelo Bulgarelli , e direção de Tatiana Cardoso.

A montagem foi inspirada na Obra “O ensaio” do dramaturgo americano Benjamin Bradford, onde um homem ensaia um ensaio de um encontro, mas a peça não se prende fielmente no texto, mas mostra um dia na vida monótona de dedetizador solitário.  O dia 22 de outubro se repete varias vezes e cada dia acontece algo diferente, a percepção de algumas coisas mínimas que ele deixa passar em algumas vezes e outras não e este pequeno detalhe muda todo o seu dia.